Andei vendo uns filmes aí #5

LA LA LAND (LA LA LAND: CANTANDO ESTAÇÕES) – DAMIEN CHAZELLE [2016]

og
“Meh.” – Raphael Dias, Delirium Scribens

Até entendo o amor generalizado por esse filme, mas não me pegou. Sinto muito. Sim, é identificável o bastante, todos temos sonhos et cetera et cetera. Sem atropelar o andamento das coisas, o enredo é: moça e rapaz se encontram, no início eles se detestam (porque ele é um babaca a maior parte do filme), mas aí eles insistem até se apaixonarem por motivos de enredo (se havia química entre eles, escapou minha percepção), mas, porque se tudo desse certo não haveria Oscar, reviravoltas ocorrem. Ah, e meio que tem uma música aqui e ali, quando os envolvidos se lembram de que estão fazendo um musical. Esse é meu maior problema com o filme. Não teve um texto sobre esse filme que eu tenha lido que não tenha dito a clássica frase: é um musical, então preparem-se pra cenas em que as pessoas começam a cantar do nada. Isso só acontece em três cenas, no primeiro ato. Depois disso, o filme, por um bom tempo, esquece que é um musical. Falando nisso, o que faz um musical? Músicas memoráveis. Bom, aqui é questão de gosto, mas não lembro de uma música que ouvi neste filme – e olha que tem versos de músicas de musicais que nem vi, mas não consigo esquecer. Não é um filme ruim. É visualmente impressionante – nada inovador, mas bonito e tem momentos brilhantes. Mas não vai muito além. Típico estilo sem substância. Sem falar que cartas de amor a Hollywood já deram no saco, até quando meio irônicas. Só quero cartas de ameaça de morte de agora em diante. Gosto da Emma Stone, acho que ela interpretou bem o papel. Não sei quem foi que deixou o Ryan Gosling cantar, a voz dele só falada já me dá nos nervos – provavelmente a mesma pessoa que escalou Russell Crowe -, e é difícil um ator passar emoção quando ele só tem duas expressões faciais (oposto de Emma Stone, que é feita de borracha – no sentido mais positivo da palavra). Poderia escrever um texto completo sobre isso, pra deixar bem claras cada uma das minhas reclamações, mas não pretendo. Se alguém pedir com jeitinho, quem sabe, mas não faço promessas, até porque não gosto de dar muita atenção ao que não me agrada.

IN A LONELY PLACE (NO SILÊNCIO DA NOITE) – NICHOLAS RAY [1950]

lonelyplace2

Fazia tempo que um filme não me deixava ansioso. Não é surpreendente, como alguns suspenses. Mas você fica sem piscar assistindo cada mudança de expressão do Humphrey Bogart. O que me pegou mesmo foi quando eu me dei conta que o final foi “estragado” na primeira cena, qualquer possibilidade de surpresa morre ali, mas, no meio do caminho, com sutileza, o filme me fez esquecer disso, que eu já sabia o final. Vai ficar mais claro se eu não esquecer de passar um mínimo de sinopse pra vocês. Dixon Steele (Bogart) é um roteirista de sucesso, mas em decadência. Uma noite, ela leva uma garçonete pra casa, pra que ela contasse a história do livro que ela havia acabado de ler – que ele devia roteirizar – pra ele. Ela conta a história pra ele, vai embora sozinha e é encontrada morta à beira da estrada na manhã seguinte. Dixon é questionado pela polícia. Não há meios de ele ser culpado, mas a atitude dele convence a polícia de que ele é um assassino. Laurel Gray (Gloria Grahame) aparece como testemunha de que Dixon passou aquela noite em casa. Ela e Dixon começam um relacionamento, até que ela percebe que a agressividade do Dixon é de fato suspeita. Falei demais já. Vejam esse filme. Devia ser mais conhecido, devia ser considerado um desses clássicos obrigatórios. É um noir nada tradicional, apesar de seguir uma estrutura até que básica, perfeitamente construído. Um filme que, se tem defeitos, não reparei.

MOONLIGHT (MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR) – BARRY JENKINS [2016]

Moonlight_Trailer1.jpg

Quero evitar a todo custo falar que esse filme é “importante”. Todos sabem, todos já disseram isso, mas, em 2016, não era pra ser mais. O fato de ninguém nunca ter visto um filme assim até hoje (sobre homossexualidade entre negros nos EUA) é um alerta vermelho pra nossa sociedade – outro. Então, riscando os muitos significados sociais desse filme, porque ele não é só isso, temos um filme quieto e intenso, sutil e prestes a explodir a qualquer momento. É a história de Chiron (Alex Hibbert – criança -, Ashton Sanders – adolescente -, Trevante Rhodes – adulto), filho de uma dependente química, pobre e, mais tarde descobre, homossexual. Acompanhamos um momento em cada uma dessas etapas da vida dele. É tão difícil falar desse filme. Faço questão de deixar de lado a importância porque o filme em si não parece ter consciência disso. Se os envolvidos fossem brancos, seria visto só como uma história pessoal como tantas outros – porque é só isso. Acho que foi isso que mais me marcou no filme, quase como Azul É a Cor Mais Quente, conhecido como um filme de romance entre lésbicas, quando na verdade ele é, em estrutura, um romance dramático como qualquer outro – mais sexualmente explícito, mas, fora isso, igual. A história é contada quase sem diálogos, as emoções são trancadas, escondidas, mas estão ali sempre e prestes a explodir – e de fato explodem em algumas cenas. Um filme marcante.

KÔHÎ JIKÔ (CAFÉ LUMIÈRE) – HSIAO-HSIEN HOU [2005]

Quase não é um filme. É assistir um trecho da vida de uma pessoa. Nesse caso, Yôko, uma escritora japonesa pesquisando a vida de um compositor taiwanês. Devido à pesquisa, ela viaja muito pra lá. Ela engravida do namorado taiwanês, mas não tem intensão de casar com ele ou cobrar a presença dele como pai – na verdade, prefere distância. Os pais dela estranham, mas são obrigados a aceitar, porque a vida é dela e ela é independente. Ela tem um amigo que ajuda ela na pesquisa. Ele gosta de ir às estações de trem gravar os sons das coisas de lá – dos trens chegando, das pessoas, dos anúncios.  E depois de quase duas horas, o filme para. Não acaba, só para de acontecer. Mesmo assim, gostei demais. Queria poder explicar, mas acho que já botei na minha cabeça que, em se tratando de filme, é melhor não encucar com essas bobagens de significado. É como eu disse, um pedaço da vida de Yôko, que nós temos a chance de assistir. Não é pra todo mundo. Mas se essa descrição acima te interessa de qualquer maneira, veja. A trilha sonora é maravilhosa (vivo esquecendo de buscar o nome do compositor taiwanês pra saber se é dele mesmo), cada cena é uma fotografia, e as atuações te convencem a ponto de você achar que nada ali é atuação, foi uma equipe de gravação que surgiu na vida daquelas pessoas e começou a filmar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s